Animais de Estimação Trazem Mais Conforto pra Quem Sofre de Doença Mental Grave

Cachorro sentado no colo

Fato: a grande maioria das pessoas que têm animais de estimação afirma que os bichinhos lhe trazem mais conforto quando os dias estão ruins

E pra quem sofre de alguma doença mental grave isso se torna ainda mais marcante, um estudo conclui. Foi perguntado a pessoas com esquizofrenia ou transtorno bipolar sobre o que as ajudou a ter mais controle sobre sua condição e muitas responderam que a principal ajuda veio dos animais de estimação.

Uma pessoa que tem dois cães e dois gatos deu este depoimento:

“Quando estou muito pra baixo, eles são maravilhosos porque eles não me deixam de lado por dois dias. Eles ficam comigo até que eu esteja pronto para sair daquele momento ruim”.

E outra disse o seguinte sobre seus pássaros de estimação:

“Se eu não tivesse meus animais de estimação eu penso que eu estaria perdido em mim mesmo. É agradável vir para casa e escutar os pássaros que cantam”.

O estudo foi conduzido por Helen Brooks, pesquisadora de saúde mental na Universidade de Manchester, no Reino Unido e foi publicado na revista BMC Psychiatry.

A respeito dos pacientes que participaram do estudo Brooks diz que “Muitos sentiram conexões emocionais profundas com seu animal de estimação e estas conexões não estavam disponíveis com os amigos e a família”.

46% das pessoas entrevistadas consideravam seus pets como parte de sua rede social e os cientistas perguntaram a elas a quem procuravam quando precisavam de conselhos ou ajuda, como obtiveram apoio emocional e encorajamento e como foram os seus dias. Sessenta por cento das pessoas que consideravam os animais de estimação como parte de suas redes sociais os colocaram no mesmo e mais significativo nível de importância em que muitas pessoas colocam familiares e assistens sociais próximos.

As entrevistas com os participantes são pungentes, e revelam a luta e o isolamento que pode vir com a doença mental.

“Eu acho que é muito difícil quando você não tem uma doença mental para saber como é a experiência real”, disse um participante. “Há como um abismo, um abismo profundo entre nós … As outras pessoas estão de um lado, e nós estamos do outro lado. Estamos enviando sinais de fumaça um para o outro para tentar entender uns aos outros Mas nem sempre… nem sempre entendemos”.

Os grupos sociais das pessoas com doenças mentais muitas vezes encolhem e é comum os doentes encontrarem-se alienados de seus amigos. Os pets podem romper este isolamento, eles dão carinho sem a necessidade de compreender a desordem.

“Os animais não olham para as cicatrizes em seus braços”, disse um participante. “Eles não questionam onde você esteve.”

São exemplos simples do comportamento animal que podem ajudar quem tem doenças mentais, os animais podem distrair os doentes, mesmo os de psicose grave. Um paciente relatou que quando ele estava ouvindo vozes os pássaros lhe ajudavam, ele não ficava pensando nas vozes e sim ouvindo os pássaros cantando. Outro participante disse que meramente ver um hamster escalando as barras na gaiola e fazendo coisas bonitinhas o ajudou com algumas situações difíceis.

E ter que cuidar de animais de estimação fazem com que as pessoas parem de se afastar do mundo. “Eles me obrigam, os gatos me obrigam a ainda estar envolvido”, disse um participante.

Outro disse que os passeios com o cachorro o ajudou a sair de casa e também com as pessoas. “Isso me surpreendeu, você sabe, a quantidade de pessoas que param e falam com meu cachorro, e isso, sim, isso me alegra. Eu não tenho muito na minha vida, mas ele é muito bom, sim.”

“A rotina que esses animais fornecem é realmente importante para as pessoas”, diz Brooks. A rotina de levantar de manhã pra alimentar os bichos, prepará-los pra fazer um passeio dá às pessoas um sentido de propósito que eles não teriam de outra forma. Muitos dos participantes do estudo estão desempregados por causa de sua doença e ter um animal de estimação que foi bem cuidado é uma fonte de orgulho para eles.

Brooks espera que mais profissionais da saúde considerem a incorporação de animais de estimação em planos de cuidados para pessoas com doença mental. Muitos de seus participantes disseram que, às vezes, sentiam como se seus animais de estimação pudessem sentir quando precisavam de ajuda, e foram capazes de fornecê-la – assim como os proprietários cuidaram deles.

Como uma pessoa no estudo disse: “Quando ele aparece e senta ao meu lado em uma noite, é diferente, é como se ele precisasse de mim tanto quanto eu precisasse dele”.

Inspiração: NPR

Leia também: